Total Pageviews

There was an error in this gadget

Tuesday, November 02, 2010

Avós

Numa tarde de Primavera, estava o avô a regar a horta, quando viu chegar um carro que anunciava:
Esta noite haverá festa na praça do povo.
Vinde todos bailar com os melhores músicos do país!
— Ouviste, Manuela? Esta noite temos baile!
— Sim, Manuel. Mas eu não vou. Já não sou menina para andar de festa em festa.
O avô não disse nada.
Olhou para o sol que estava quase a esconder-se no horizonte, e agachou-se para colher uma margarida que crescia por entre a erva.
Depois, foi junto da avó, deu-lhe a flor e disse:
— Porém, tu és muito bonita, Manuela. És tão bonita como o sol!
A avó sorriu e foi ver-se ao espelho.
— Não é verdade. Sou feia como uma galinha sem penas — disse ela, prendendo a margarida no cabelo.
— Não digas isso, mulher! Tu és bonita como o sol!
E faz o favor de te apressar, que temos de ir bailar.
A avó foi à casa de banho e, de uma bolsa, tirou um lápis.
— O que vais fazer com esse lápis? — perguntou o avô.
— Vou pintar os olhos, que os tenho tristes como uma noite sem lua.
— Não digas isso, mulher! Tu és bonita como o sol, com os teus olhos tristes como as estrelas da noite!
E faz o favor de te apressar, que temos de ir bailar.
A avó sorriu e pegou num pincel.
— O que vais fazer com esse pincel?
— Vou pintar as pestanas, que as tenho curtas como as patas de uma mosca.
— Não digas isso, mulher! Tu és bonita como o sol, com os teus olhos tristes como as estrelas da noite e as tuas pestanas curtas como erva recém-cortada!
E faz o favor de te apressar, que temos de ir bailar.
A avó voltou a sorrir e, da prateleira, tirou um boião.
— O que vais fazer com esse boião?
— Vou pôr creme na pele, que a tenho enrugada como um figo seco.
— Não digas isso, mulher! Tu és bonita como o sol, com os teus olhos tristes como as estrelas da noite e as tuas pestanas curtas como erva recém-cortada e a tua pele enrugada como as nozes de uma tarte. 
E faz o favor de te apressar, que temos de ir bailar.
A avó voltou a sorrir, pousou o boião e pegou num baton.
— O que vais fazer com esse baton?
— Vou dar brilho aos meus lábios, que os tenho secos como a terra dos caminhos.
— Não digas isso, mulher! Tu és bonita como o sol, com os teus olhos tristes como as estrelas da noite e as tuas pestanas curtas como erva recém-cortada e a tua pele enrugada como as nozes de uma tarte e os teus lábios secos como a areia do deserto. 
E faz o favor de te apressar, que temos de ir bailar. 
A avó voltou a sorrir e foi à mesa-de-cabeceira e tirou de lá um frasco.
— O que vais fazer com esse frasco?
— Vou pintar o cabelo, que o tenho cinzento como uma nuvem de Outono.
— Não digas isso, mulher! Tu és bonita como o sol, com os teus olhos tristes como as estrelas da noite e as tuas pestanas curtas como erva recém-cortada e a tua pele enrugada como as nozes de uma tarte e os teus lábios secos como a areia do deserto e o teu cabelo branco como uma nuvem de verão. 
E faz o favor de te apressar, que temos de ir bailar. 
A avó sorriu e foi ao armário buscar uma saia.
— O que vais fazer com essa saia?
— Vou esconder estas pernas, que as tenho magrinhas como agulhas.
— Não digas isso, mulher! Tu és bonita como o sol, com os teus olhos tristes como as estrelas da noite e as tuas pestanas curtas como erva recém-cortada e a tua pele enrugada como as nozes de uma tarte, os teus lábios secos como areia do deserto, o teu cabelo branco como uma nuvem de verão e as tuas pernas magrinhas como uma andorinha.
E faz o favor de te apressar, que temos de ir bailar.
A avó guardou a saia, foi lavar a cara e sorriu diante do espelho. Depois agarrou-se ao braço do avô e os dois foram para o baile.
Quando chegaram, os músicos já estavam no palco, a tocar, e toda a gente estava a bailar.
O avô agarrou na avó pela cintura, e puseram-se a bailar. Depois, olhou profundamente nos olhos da avó e disse-lhe:
— Manuela, tens os olhos tristes e formosos como as estrelas da noite.
Então a avó olhou muito no fundo dos olhos do avô e viu que também ele tinha... os olhos tristes como as estrelas da noite e as pestanas curtas como erva recém-cortada e a pele enrugada como as nozes de uma tarte e os lábios secos como a areia do deserto e o cabelo branco como uma nuvem de verão e as pernas magrinhas como as de uma andorinha.
A avó agachou-se e apanhou uma margarida, prendeu-a ao casaco do avô e aconchegou-se no seu peito.
Depois, olhou para o céu, e voltou a olhar o avô bem nos olhos e sem deixar de dançar, disse:
— Manuel, és tão bonito como a lua!
Chema Heras
Avós
Kalandraka Editora, 2002

1 comment:

milu said...

os relacionamentos hoje em dia são tão voláteis, que impressiona saber, existir quem se ame tanto uma vida. Os casais dos nossos dias não têm interesse pessoal um no outro, deixam de se amar por pequenas coisas sem importância...