Total Pageviews

There was an error in this gadget

Thursday, February 09, 2012

Abusos Sexuais: Internet é aposta para prevenção


Centro de ensino à distância vai oferecer formação a padres, professores e pessoal das instituições católicas

D.R.
Roma, 09 fev 2012 (Ecclesia) – A criação de um portal multimédia, em várias línguas, para ajudar na prevenção de casos de abusos sexuais domina hoje o final do simpósio internacional de quatro dias, sobre o tema, que decorre em Roma.
A nova página na Internet foi apresentada esta manhã pelo cardeal Reinhard Marx, arcebispo de Munique (Alemanha), diocese que financiou e vai sediar a iniciativa, revelando que o projeto de ensino à distância “está desenhado para um período de três anos”.
“O objetivo do portal multilingue é facilitar informações com base na Internet e oferecer formação para sacerdotes, diáconos pessoal pastoral e professores de religião”, indicou o cardeal alemão.
Este ‘Centro para a Proteção de Menores’ conta com a colaboração da Universidade Pontifícia Gregoriana, da capital italiana, envolvendo especialistas em Psicologia, Pedopsiquiatria e Psicoterapia.
O arcebispo de Munique lamentou, na sua conferência, que se tenham ignorado “sistematicamente” as vítimas, no passado, com tentativas de “ocultar a terrível verdade, em vez de a reconhecer em toda a sua amargura”.
“Uma coisa é clara: teremos de continuar a lidar com o debate dos abusos e a crise está muito longe de ter acabado”, prosseguiu.
Aos responsáveis católicos, observou, compete evitar “técnicas obstrucionistas, a trivialização e a relativização” dos abusos que tiverem ocorrido, para que se possa “recuperar a credibilidade”.
“Abertura, transparência e veracidade são, portanto, insubstituíveis”, sublinhou.
O simpósio internacional ‘Rumo à cura e à renovação’, que se conclui esta tarde, reúne representantes de 110 conferências episcopais, incluindo a portuguesa, e 30 ordens religiosas.
A iniciativa é organizada pela Universidade Gregoriana, contando com o apoio da Santa Sé, em particular da Congregação da Doutrina da Fé (CDF), que em 2011 solicitou aos episcopados católicos de todo o mundo a elaboração de diretivas próprias para tratar os casos de abusos sexuais, a serem entregues até final de maio deste ano.
D. Reinhard Marx revelou que vão ser lançados “oito projetos-pilotos” em várias áreas geográficas e culturais.
“Isto demonstra que nós, como Igreja mundial, queremos trabalhar, juntos, como uma rede, para garantir a saúde física e mental das crianças e jovens”, afirmou.
Para este responsável, é preciso “atuar de forma positiva e desenvolver novas perspetivas para o futuro”.
OC
Notícia atualizada às 14h08

Vaticano: Porta-voz refuta acusações sobre «lavagem de dinheiro»

Padre Federico Lombardi diz que a Santa Sé tem colaborado com as autoridades italianas no esclarecimento de todas as dúvidas

Cidade do Vaticano, 09 fev 2012 (Ecclesia) – O porta-voz do Vaticano refutou em comunicado as acusações de ocultação de operações de ‘lavagem de dinheiro’ por responsáveis do Instituto para as Obras de Religião (IOR) e da Autoridade de Informação Financeira (AIF) da Santa Sé.
Segundo o padre Federico Lombardi, as informações divulgadas esta quarta-feira pelo jornal italiano ‘l’Unità’ revelam uma “notável falta de seriedade”.
Em causa, segundo o periódico, estariam investigações a quatro padres, que teriam utilizado o IOR em operações ilegais, alegadamente marcadas pelo “silêncio do Vaticano”.
nota oficial do diretor da sala de imprensa da Santa Sé fala em “notícias velhas” e “afirmações infundadas”, frisando que tem existido, por parte do Vaticano, cooperação com “a magistratura e as outras autoridades italianas”.
Segundo o padre Lombardi, terá sido a ação do diretor-geral do IOR (conhecido como Banco do Vaticano) a permitir “a acusação de uma das pessoas indicadas”.
O porta-voz do Vaticano diz que “não é verdade” que o IOR não tenha fornecido informação à Autoridade de Informação Financeira da Santa Sé e que esta, por sua vez, tenha ocultado essas informações à Unidade de Informações Financeira da Itália.
“O efeito difamatório do artigo resulta da utilização do termo ‘incriminado’, em relação ao presidente do IOR, Ettore Gotti Tedeschi, e do diretor-geral, Paolo Cipriani. Nem um nem outro foram alguma vez incriminados, mas sim indagados”, assinala o documento.
O padre Federico Lombardi conclui com a informação de que um dos padres mencionados foi declarado inocente em julho de 2011, “com sentença confirmada em apelo”.
Em dezembro de 2010, Bento XVI criou a AIF, para garantir maior transparência nas finanças da Santa Sé (órgão de governo da Igreja Católica) e combater o crime económico.

OC

No comments: